Pedreiro e filhos são presos em MS por matar pai de adolescente no PE: 'Briga foi por causa de pipa com cerol'

 Foto: Graziela Rezende/G1 MS

Um pedreiro de 52 anos e os filhos, de 32 e 25 anos, foram presos no bairro Maria Aparecida Pedrossian, em Campo Grande, suspeitos de assassinarem o pai de um adolescente em Petrolina (PE). O crime ocorreu no dia 10 de setembro deste ano e o paradeiro deles foi descoberto nessa quarta-feira (28). Questionados, eles disseram que a briga começou por conta de uma pipa com cerol.

Conforme a investigação, no dia anterior ao crime, o adolescente de 17 anos se envolveu em uma discussão com Ailton. Na ocasião, o pedreiro teria esbofeteado o menino no rosto. Já no dia 10, ao retornar do trabalho, Francisco de Assis Rezende da Silva, foi até a casa do vizinho, no Jardim Amazonas, questionar o que aconteceu. O trio já o esperava e, assim que se aproximou, Francisco foi atingido por disparos de uma pistola, que estava nas mãos de Ermerson Siqueira da Silva.

A vítima caiu agonizando e, mesmo assim, ainda conforme a polícia, recebeu golpes de faca. Testemunhas oculares do fato prestaram depoimento e apontaram o nome dos envolvidos, que fugiram em seguida. A 25ª Delegacia de Homicídio de Petrolina então pediu a prisão dos envolvidos e repassou informações a Delegacia Especializada de Repressão à Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros (Garras).

O paradeiro deles já vinha sendo investigado há duas semanas. No momento da abordagem, os policiais ainda apreenderam uma pistola semi-automática .380 e um revólver calibre 38, que estavam no imóvel alugado, com munições e prontos para uso. Em depoimento, eles confessaram o crime, porém disseram que as armas não são as mesmas utilizadas no homicídio.

"Eu atirei sim. Eles queriam matar o meu pai", disse Ermerson. Já o pai comentou que a briga começou por conta de uma pipa com cerol. No entanto, ele não dá mais detalhes sobre o fato. Já Enderson, conforme a polícia, foi a pessoa quem deu fuga até a capital sul-mato-grossense.

Ermerson ressaltou que não possui parentes na região e que a construtora na qual trabalhava estava oferecendo vagas no estado. "Eu já tinha entregue a documentção e iria começar a trabalhar na próxima segunda-feira (3)", comentou.

Ao G1 o delegado João Paulo Sartori, adjunto do Garras, comentou que o trio esteve em diversos estados, antes de serem localizados. Os envolvidos vão responder por homicídio qualificado por motivo fútil. Um deles possuía antecedentes pelo mesmo crime, cometido em Goiás.

Fonte: G1 MS