Operação policial contra o tráfico de drogas é realizada simultaneamente no Maranhão e na Paraíba

Foto: Reprodução/Assessoria Polícia Civil

A Polícia Civil do Maranhão deflagrou nesta sexta-feira (19) a Operação Camboa em combate ao tráfico de drogas no estado, cumprindo 30 mandados expedidos pela Justiça, em ação realizada simultaneamente na Paraíba. Seis pessoas foram presas. 

Dos mandados cumpridos, 22 foram de busca e apreensão, quatro de prisão preventiva e quatro autos de prisão em flagrante por tráfico ilícito de entorpecentes, posse ilegal de munição e uso de documentos falsos.

Cinco pessoas foram presas no Maranhão, dentre eles Guilherme Bruno Gomes Moraes, Paulo Ricardo Sá, Cristiane Pires, Luan Roger Ferreira da Silva e Kassio Breno Pinto Moreira. Victor Lucci da Silva, conhecido como ‘Vitão’, foi preso nesta sexta em Campina Grande na Paraíba. De acordo com a polícia, ele estava foragido desde setembro do ano passado e é apontado como líder de uma facção criminosa que atua na cidade paraibana.

O suspeito usava o nome falso José Amaro da Silva Filho durante o tempo em que permaneceu na Paraíba. Junto dele, a polícia apreendeu dois automóveis e uma carga de mercadorias avaliadas em R$ 30 mil.

A polícia apreendeu um tablete de maconha, 57 cabeças de maconha prontas para a venda, 69 cabeças de crack prontas para a venda, cerca de R$ 2 mil reais em espécie, balanças de precisão, material plástico usado para embalar a droga e dez armas de calibre 38.

Um sistema de videomonitoramento usado pelos suspeitos para verificar a presença de policiais na área e aparelhos celulares também foram apreendidos. Além disso, a polícia recolheu documentos relacionados à contabilidade das movimentações financeiras feitas no esquema e a arrecadação que era obtida pelo grupo criminoso.

A operação foi realizada por meio da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), teve o apoio da Superintendência da Capital (SPCC), do Interior (SPCI), de Combate ao Narcotráfico (SENARC), do Centro de Inteligência da Polícia Civil da Paraíba e da Delegacia Especializada em Crimes contra o Patrimônio em Campina Grande.

Fonte: G1 MA