Homem é preso em flagrante com R$ 235 em notas falsas e diz que dinheiro era do filho

Foto: Polícia Federal/Divulgação

Um homem de 28 anos foi preso em flagrante em Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife, por guardar R$ 235 em notas falsas dentro de casa. De acordo com a Polícia Federal (PF), o auxiliar de serviços gerais alegou que as cédulas eram do filho, utilizadas para brincar.

O flagrante, ocorrido na quarta (4), foi divulgado pela PF nesta sexta (6). A ação teve início quando policiais militares foram acionados por moradores de Cajueiro Seco e Prazeres, que denunciaram um homem suspeito de tráfico de drogas na região.

Ao ser identificado, ele permitiu que os policiais entrassem em sua casa. Na residência, os PMs encontraram 44 gramas de maconha sobre uma mesa e as cédulas falsas. Em seguida, o homem foi encaminhado à sede da PF, no Cais do Apolo, no Bairro do Recife.

Segundo a Polícia Federal, o homem alegou, durante o interrogatório, que a maconha encontrada em sua casa era para consumo próprio e que as notas eram usadas nas brincadeiras do filho e não foram destruídas antes porque ele não sabia que era crime guardá-las em casa.

Após a autuação, ele fez exame de corpo delito no Instituto de Medicina Legal e passou por uma audiência de custódia, onde foi liberado e responde ao processo em liberdade.

Em 2019, a Polícia Federal apreendeu R$ 11,4 mil em notas falsas. Ao todo, seis pessoas foram presas. Em 2018, também foram seis presos e apreendeu R$ 33,5 mil em cédulas falsas.

Dicas
De acordo com a PF, a população pode usar o método “Tocar/Observar/Inclinar”, que permite identificar se uma nota é falsa através da textura e dos elementos de segurança. Segundo a corporação, as notas falsas tendem a ser lisas, enquanto as verdadeiras são ásperas e possuem relevo nos itens de segurança.

Nas cédulas verdadeiras, as tonalidades de cores são firmes, enquanto que, nas falsas, a cor costuma ter pouca nitidez e pode ser borrada. Observar a série ao receber duas notas de mesmo valor também pode ser importante para identificar a legitimidade da cédula.

Fonte: G1 PE