Xuxa doa R$ 1 milhão ao SUS e pede que as pessoas fiquem em casa

Divulgação

Em tempos de isolamento e tensão por conta do coronavírus, alguns momentos simples podem servir de conforto para as pessoas. Ontem, Xuxa Meneghel completou 57 anos em casa da mesma forma que tem vivido os últimos dias: na companhia da filha Sasha, do namorado Junno Andrade e dos bichos de estimação.

Para ela, a necessidade de ficar em casa é mais importante do que o aniversário.

"O importante agora é a gente se cuidar e cuidar do próximo. Então, o meu aniversário vai ser me cuidando e cuidando do próximo", diz a loura, que comanda o programa 'The Four', sem previsão de retorno de gravações, na Record.

O momento é uma mistura de sensações para Xuxa, que tem feito doações ao SUS por meio de sua empresa enquanto pede aos fãs que respeitem o tempo de quarentena.

Por um lado, a apresentadora diz que nunca curtiu ir a barzinhos ou baladas, o que torna o período de isolamento mais leve. Mesmo assim, a sensação mais difícil que tem vivido é de ver que algumas pessoas não entenderam a gravidade da situação.

"O pior é ver as pessoas angustiadas por não poderem sair, não se informando direito, só ouvindo notícias ruins. O mais importante agora é se cuidar e ficar em casa. Eu estou preocupada porque muitas pessoas não entenderam ainda pelo que estamos passando e, quando entenderem, pode ser tarde", afirma.

Doações

A preocupação e a vontade de ajudar mobilizaram Xuxa e a empresa Espaço Laser, da qual é sócia, a doarem R$ 1 milhão ao SUS, como forma de auxiliar o combate à COVID-19. Além disso, o grupo Baruel, dono da empresa Turma da Xuxinha, vai distribuir 300 mil sabonetes a famílias do Rio e de São Paulo. Essas iniciativas, segundo Xuxa, são "um exemplo a seguir por outras empresas ou pessoas que podem ajudar".

A apresentadora ainda enfatizou sobre a importância de unir forças nesses dias. "Eu não quero julgar quem não vai fazer o mesmo, mas acredito que, se a Espaçolaser e a Baruel podem, muitas outras empresas também poderiam", defende.

Fonte: O Dia