Pesquisadores da UFPE detectam perfis imunológicos brasileiros capazes de dar melhor resposta à infecção por Covid-19

Foto: NIAID-RML/Handout via Reuters

Pesquisadores dos departamentos de genética e de patologia da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), em parceria com IRCCS Materno Infantile Burlo Garofolo, da Itália, identificaram moléculas que têm capacidade de identificar fragmentos do novo coronavírus e ativar o sistema imunológico de um indivíduo. Publicado no Journal of Clinical Pathology, o estudo pode ajudar no desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19.

Durante o trabalho, os pesquisadores constataram que existem fatores intrínsecos do genoma de uma pessoa infectada que atuam contra o vírus, mas nem todos os indivíduos têm esses fatores. Quem tem, no entanto, pode estar mais protegido contra as formas mais graves e perigosas da doença.

De acordo com o pesquisador e geneticista Ronald Moura, o estudo selecionou 30 tipos do Antígeno Leucocitário Humano (HLA), um tipo de molécula capaz de ativar o sistema imunológico de um indivíduo. Os tipos de HLA escolhidos, chamados de alelos, podem ser encontrados em 70% da população brasileira, em média.

“No caso de um vírus, essa molécula vai reconhecer ‘pedaços’ dele, não precisa ser o vírus inteiro, e ativar o sistema imunológico”, explicou Moura.

A partir do estudo do HLA, a pesquisa consistiu em descobrir quais epítopos, ou seja, quais “pedaços” do Sars-Cov-2, o novo coronavírus, podem ativar essa molécula e, consequentemente, o sistema imunológico de uma pessoa. Ao todo, foram detectados 24 fragmentos do vírus que interagiram com 17 tipos diferentes do HLA, típicos da população brasileira.

“A gente usou várias técnicas, vários métodos de bioinformática, e conseguimos vários fragmentos da proteína do novo coronavírus. Identificamos 24 epítopos que são altamente imunogênicos, ou seja, podem ser identificados pelo HLA. Isso não quer dizer que a gente seja exatamente imune ao vírus, mas a gente pode desenvolver sintomas mais brandos, por exemplo”, explicou o pesquisador.

Ainda segundo Moura, a pesquisa, publicada em agosto, pode ajudar no desenvolvimento de vacinas. “É possível, a partir desses 24 epítopos, desenvolver vacinas e aí, sim, treinar nosso sistema imune para quando tiver contato com o vírus, a gente estar protegido”, afirmou o pesquisador.

Fonte: G1 PE