Ciclone Idai pode ter matado mais de mil em Moçambique, diz presidente


Esta imagem disponibilizada pela Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) na segunda-feira, 18 de março de 2019, mostra uma vista aérea de um helicóptero de inundações na Beira, Moçambique.

Ciclone Idai pode ter matado mais de mil pessoas em Moçambique, disse o presidente do país, Filipe Nyusi, num discurso transmitido na segunda-feira à rádio nacional.

"Oficialmente, temos um registro de mais de 84 mortos, mas tudo indica que podemos ter um recorde de mais de 1.000 mortes", disse Nyusi, acrescentando que "100.000 pessoas estão em perigo".

Nyusi estava falando depois de voar sobre as áreas afetadas para ver os esforços de destruição e resgate.

Ele chamou a situação de "um verdadeiro desastre humanitário de grandes proporções".

"As águas dos rios Pungue e Buzi quebraram as suas margens, aniquilando aldeias inteiras, isolando comunidades e pudemos ver, à medida que voávamos acima, corpos a flutuar", afirmou o Presidente moçambicano.

"O número de zimbabuanos que perdemos na contagem atual é de 89", disse Nick Mangwana, porta-voz do governo, a repórteres em uma entrevista coletiva na segunda-feira, acrescentando que os engenheiros estão trabalhando para conseguir medicamentos e alimentos para os afetados.

O presidente do Zimbábue, Emmerson Mnangagwa, fez uma declaração de desastre para as áreas afetadas, informou o Ministério da Informação do país.

Muitos ainda estão desaparecidos na sequência do ciclone, que provocou inundações e chuvas varrendo centenas de casas nas partes leste e oeste do Zimbábue, disseram autoridades.

Na segunda-feira, o Ministério da Informação fotos de alguns alunos que haviam sido resgatados de um internato em Chimanimani, uma das áreas mais afetadas no leste do país compartilhada. As pontes foram varridas e as linhas de energia e comunicação na área foram cortadas.

O ciclone vem uma semana depois de uma inundação severa - associada ao mesmo sistema de tempestades que mais tarde se tornou o ciclone Idai - afetou 1,5 milhão de pessoas em Moçambique e no Malauí, matando pelo menos 120 pessoas em ambos os países , disseram autoridades da ONU.

Fonte: CNN