Caso dos 80 tiros: governo homenageia advogado que defende militares

JOSE LUCENA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

O governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) vai condecorar o advogado Paulo Henrique Pinto de Mello, responsável pela defesa dos militares que fuzilaram o carro da família do músico Evaldo Rosa no Rio de Janeiro.

O nome de Paulo Henrique aparece na relação dos escolhidos para receber a Medalha da Vitória aos Ex-combatentes da Segunda Guerra Mundial. A Portaria nº 1.713 foi publicada na última terça-feira (16/04/19) no Diário Oficial da União, assinada pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

A medalha foi criada por meio do Decreto nº 5.023 em março de 2004 com o objetivo de reconhecer a “atuação do Brasil em defesa da liberdade e da paz mundial, em especial na 2ª Guerra Mundial”. Podem ser homenageados militares brasileiros e estrangeiros, civis nacionais e de outros países, policiais e bombeiros, organizações militares e instituições.

Entenda o caso
Evaldo foi morto no dia 7 de abril após um grupo de 10 militares dispararem 80 vezes contra o carro do músico. Ele seguia com a família para um chá de bebê, mas foram abordados pelos oficiais após o veículo ser confundido com o automóvel de criminosos.

O músico morreu no local e outras duas pessoas ficaram feridas. Após o crime, os militares foram presos. O advogado Paulo Henrique entrou com um habeas corpus para nove deles, mas teve o pedido negado pelo ministro general Lúcio Mário de Barros Góes.

Fonte: Metrópoles / Thaís Paranhos