Após ter sido pedreiro e rodado por 11 times pequenos, paraibano Tiquinho Soares brilha no futebol europeu e vale R$ 264 milhões: 'nunca abaixei a cabeça'

Foto: Reprodução

O atacante Tiquinho Soares, 29 anos, tem se destacado nas últimas temporadas do futebol europeu. Natural de Sousa, no Sertão da Paraíba, o atacante teve uma ascensão meteórica em dois anos e hoje está contratado pelo Porto, de Portugal, no valor de 40 milhões de euros (R$ 264 milhões).

Em entrevista ao ESPN, o esportista contou sobre as dificuldades no início da carreira até a sua ascensão como um dos principais astros do futebol europeu: "Eu rodei demais, mas nunca abaixei a cabeça. Quando fechava uma porta eu ia atrás de outra", disse Tiquinho. Ele contou que chegou a trabalhar como pedreiro, vendedor de sacolé, e rodou por onze clubes menores no Brasil, mas nunca desistiu.

Ele saiu do Nacional-POR e passou por Vitória de Guimarães-POR antes de chegar ao Porto no meio da temporada 2016/2017. Desde então, foram dois títulos do Português e 64 gols marcados. O atacante, que foi observado por Tite, deu entrada no passaporte europeu e poderá em breve ser chamado por Portugal.

O contrato de Tiquinho com o Porto, que tem multa rescisória de 40 milhões de euros (R$ 264 milhões), vai até o meio de 2021.

Confira a entrevista na íntegra abaixo:      

Começo fora do futebol      
Foi uma época difícil no sertão da Paraíba e passando dificuldade junto com meus pais. Ajudei de várias formas. Eu e minha irmã vendíamos sacolé, gelinho, para ajudar nossos pais que trabalhava. Nos sábados tinham jogos, minha mãe fazia e íamos vender no campo de futebol.

Como virou jogador           
Não era uma ambição que tinha mais jovem, mas depois que fui para Natal comecei a jogar nos campos de barro e acabei gostando. Depois, em 2008 fui artilheiro na minha primeira competição. Daí, o futebol virou minha cabeça.

Rodou por 10 times no Brasil        
Eu rodei demais, mas nunca abaixei a cabeça. Quando fechava uma porta eu ia atrás de outra. Fui para o Cerâmica-RS e fiz um bom Campeonato Gaúcho. Passei no Veranópolis-RS muito bem com o treinador Julinho Camargo, que me levou para outras equipes. Sou muito grato.

Chegou a ficar desempregado          
Na maioria das vezes eu jogava nessas equipes que não tem calendário eu só jogava o Estadual por uns três meses. Depois ia trabalhar com meu pai como servente de pedreiro ou inventava outra coisa.

Como surgiu Portugal         
Foi tudo muito rápido. Eu estava no Veranópolis e apareceu a chance de ir para o Nacional da Ilha da Madeira. Não pensei duas vezes porque quando não se tem oportunidade precisa dar tiro. Eu atirei certo ao vir para cá com a força Josivaldo Alves, presidente do CSP-PB e do Deco. Deu certo. Fiz seis meses, renovei meu contrato e fiz um bom campeonato marcando 16 gols e fui para o Vitória de Guimarães.

No Vitória de Guimarães virou sensação do Português          
Foi um projeto muito bom. Nas primeiras rodadas eu já consegui me destacar e foi uma grande temporada. Fiz muitos gols em apenas seis meses. Foram espetaculares e virou sempre vou lembrar deste momento.

Outros clubes tentaram a contratação. Por que escolheu o Porto?               
Eu estava uma sensação naquela época e fazendo muitos gols e jogando bem. Tinham clubes da China, Turquia e Portugal também. Mas escolhi o Porto porque meu empresário, que é o Deco, fez história aqui. Iss facilitou por já conhecer a história do clube. Queria ganhar campeonatos e consegui dois. Foi algo muito bom.

Você saiu em pouco tempo de times menores para uma das maiores potências de Portugal   
Foi um sonho, nunca imaginei chegar tão longe. Em time que ganhou tudo. Naquele ano fiz recordes e em poucos jogos muitos gols. Isso ficou na história do clube e para mim. É maravilhoso vestir essa camisa.

Momento mais especial        
Minha estreia foi o melhor dia porque foi no clássico contra o Sporting e fiz dois gols e ganhamos o jogo de 2 a 1. Isso ficará marcado. E o titulo desse ano foi diferente, sem torcedores e um ano treinando em casa. Ficará marcado.

Seleção brasileira       
Nunca ninguém entrou em contato comigo sobre isso. Saiu uma vez no jornal que o Tite estava me olhando, mas sei o tanto de jogadores que o Brasil tem. Não sou obcecado com isso. Se um dia acontecer, acho que não vou nem dormir, mas sou tranquilo com isso.

Com passaporte português pode defender Portugal?          
Não podemos descartar nada. Se acontecer eu vou ficar feliz demais. Estou há seis anos aqui e muito adaptado, se pintar oportunidade não verei problema. Eu dei entrada no passaporte porque tenho uma filha portuguesa e é bom para o futuro da nossa família. Estou só esperando chegar porque atrasou pela pandemia.

Ofertas de Roma e China para sair do Porto         
Eu não sei. Foram especulações que surgiram e meu empresário não me passou isso. Nada que seja real. Eu tenho mais um ano de contrato até o final de maio de 2021.

Como foi a atual temporada          
A gente às vezes faz umas metas de gols. Fiz 23 gols ano passado, outro fiz 21. Esse ano fiz 19, não sou Cristiano Ronaldo da vida, mas procuro fazer o máximo de gols possível (risos). Acho que a gente vive de gols. Eu tive altos e baixos, mas fico feliz pela minha temporada.

Bom ambiente no clube          
O vestiário do Porto é muito legal. Não tem um querendo aparecer mais do que o outro. O grupo tem um foco só no título.

Como você vê o Benfica se reforçando e trazendo Jorge Jesus para brigar pelo título?        
É normal, eles têm se reforçado bem. Acredito o Porto também fará isso que vença o melhor na próxima temporada e o futebol português que agradece. Teremos grandes jogos.

Fonte: ClickPB