Investigação apura desentendimento entre advogada e delegado em Olinda

Foto: Reprodução/Google Street View

Um desentendimento entre uma advogada e um delegado da Delegacia do Varadouro, em Olinda, é investigado pela Polícia Civil de Pernambuco e pela Secretaria de Defesa Social (SDS). O caso aconteceu na sexta-feira (4). A seccional Pernambuco da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE) afirmou que vai cobrar apuração.

A advogada Anna Beatriz, integrante da Comissão de Igualdade Racial da OAB-PE, registrou um Boletim de Ocorrência contra o policial na sexta-feira (4), enquanto o delegado registrou em desfavor dela um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por desacato, segundo a Polícia Civil. O G1 não conseguiu contato com o delegado envolvido na confusão.

O presidente da seccional Pernambuco da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-PE), Bruno Baptista, disse ao G1 que a Comissão de Defesa e Assistência das Prerrogativas (CDAP) acompanhou a situação e será instaurado um procedimento para avaliar se as prerrogativas da advogada foram violadas.

“A Ordem dos Advogados do Brasil irá cobrar a rigorosa apuração dos fatos, adotando as medidas que se fizerem necessárias”, afirmou.

Confusão
A advogada contou ao G1 que foi chamada para atender um cliente que foi autuado e estava detido na unidade policial. Segundo ela, após pedir para falar em sigilo com o cliente, o delegado afirmou que iria aumentar a quantidade de crimes pelos quais ele responderia.

“Ele achou que eu estava querendo criar empecilho, quando eu só queria um direito que é uma prerrogativa. Infringir essa prerrogativa é um crime que consta na lei de abuso de autoridade”, afirmou a advogada.

Anna Beatriz contou que não conseguiu uma sala sigilosa e ficou conversando com o cliente no corredor. A confusão teria começado quando ela disse que era difícil trabalhar naquela delegacia, se referindo ao caso de uma advogada que, em maio, denunciou outro delegado na mesma unidade policial.

“Ele disse que eu teria que provar e começou a gravar com o celular. Peguei o celular para filmar também e ele ficou reclamando, falando alto comigo. Falei alto com ele também, disse que era pra ele baixar a voz e ele disse: 'agora você está autuada por desacato'”, contou.

Fonte: G1 PE